PSICODIAGNÓSTICO NA DEPRESSÃO INFANTIL

Elaine Marinho Bastos, Elenise Tenório de Medeiros Machado

Resumo


O presente artigo desenvolve a temática do psicodiagnóstico nos casos de depressão infantil. Foi feita uma pesquisa bibliográfica sobre o tema onde percebeu-se que é ainda uma área de poucos estudos pois essa etapa do desenvolvimento ainda é vista como uma fase onde não ocorrem sofrimentos psíquicos mais sérios. A metodologia utilizada foi uma revisão de literatura descritiva, durante o período de junho a dezembro de 2016, que procurou abranger o assunto de forma objetiva, abordando a visão do Psicodiagnóstico dentro dos fatores e relevâncias da depressão infantil. Temos como conclusão que o diagnóstico da depressão infantil ainda é difícil de ser feito, tendo em vista as suas variáveis funcionais, a justaposição que apresenta com outras psicopatologias da infância e as diversas classes de depressão existentes. Mas o processo de psicodiagnóstico auxilia na resolução dessa situação, sendo importante o conhecimento aprofundado dos instrumentais para que assim sejam aplicados e avaliados da forma mais correta possível no intuito de ter um diagnóstico mais preciso.


Texto completo:

PDF

Referências


ARZENO, M. E. G. Psicodiagnóstico clínico. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2003

AJURIAGUERRA, J. Manual de Psiquiatria Infantil. Rio de Janeiro: Masson do Brasil. 1976.

ANDRIOLA, W. B.; CAVALCANTE, L. R. Avaliação da depressão infantil em alunos da pré-escola. Psicologia: Reflexão e Crítica. v. 12, n. 2, 1999.

ASSUMPÇÃO JR, F. B.; KUCZYNSKI, E. Infância e adolescência In: Fráguas Jr, R. Figueiró JAB, editores. Depressões em medicina interna e em outras condições médicas. São Paulo: Atheneu, 2000. p. 387- 400.

ARIÉS, Philippe. História social da criança e da família. 2ª ed., Rio de Janeiro: Guanabara:1973.

BAHLS, S. C. Depressão, infância e adolescência: características clínicas. Jornal de Pediatria, 78, 359-366. 2002

BAHLS, S. C. Epidemiologia de sintomas depressivos em adolescentes de uma escola pública em Curitiba, Brasil. Revista Brasileira de Psiquiatria, 24, 63-67. 2002

BAPTISTA, M. N., & OLIVEIRA, A. A Sintomatologia de depressão e suporte familiar em adolescentes: um estudo de correlação. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 14(3), 58-67. 2004

BAPTISTA, C. A.; GOLFETO, J. H. Prevalência de depressão em escolares de 7 a 14 anos. Revista de Psiquiatria Clínica. v. 27, n. 5, p. 253 – 255, 2000.

BAPTISTA, M. N.; BAPTISTA, A S. D; DIAS, R. R. Estrutura e suporte familiar como fatores de risco na depressão de adolescentes. Psicologia ciência e profissão,1 (2), 52 – 61, 2001. BARBOSA, G. A.; DIAS, M. R.; GAIÃO, A. A.;

BOWLBY, J. Perda: tristeza e depressão. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

CUNHA, J.A. Psicodiagnóstico-V. 5 a ed. Porto Alegre: Artmed, 2003

CORSARO, W. We’re friends, right?: inside kid’s cultures. Washington, DC: Joseph Henry, 2003

COSTA, Delcir da; CASTRO, Julia R. Depressão Infantil: um fenômeno da contemporaneidade. Psiquiatria Biológica, 10(4), 2002.

CUNHA, Bianca Faria Vieira da. et al. Depressão na infância e adolescência: revisão bibliográfica. Rev Soc Cardiol. São Paulo, v.15, n.3, supl A, Maio/Junho de 2005

DE MAUSE, Lloyd. História de la infância. Madri, Alianza Universid: 1991.

FICHTNER, N. Prevenção, diagnóstico e tratamento dos transtornos mentais da infância e da adolescência. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

GAMMON, G. D, BROWN, T. E. Fluoxetine and methylphenidate treatment of attention deficit and comorbid depressive disorder. J Adolesc Phychopharmacol. v. 3, p. 1-10, 1993.

GREEN, W. H. Drogas antidepressivas. Psicofarmacologia Clínica na Infância e na Adolescência. Porto Alegre: Artes Médicas; p. 37-196, 1997. MILLER, J. O livro de referência para a depressão infantil. (M. M. Tera, Trad.). SãoPaulo: M. Books, 2003.

LORENZO, W. C. G. Depressão infantil: um estudo de prevalência com o CID. Infanto – Rev. Neuropsiqui. da Inf. e Adol. vol. 4, n. 3, p. 36 – 40, 1996

NEVES. 1996. Depressão infantil. Disponível em: Acesso em: 30 out. 2012.

Organização Mundial da Saúde. CID-10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. 10a rev. São Paulo: Universidade de São Paulo; 1997. vol.1.

PETERSEN, C., & WAINER, R. Terapias cognitivo-comportamentais para crianças e adolescentes: Ciência e arte. Porto Alegre: Artmed. 2011

REIS, R. L. R.; FIGUEIRA, I. L. V. Transtorno depressivo na clínica pediátrica. Revista Pediatria Moderna. v. 37, p. 212 – 222, 2001.

RODRIGUES, M. J. S. O diagnóstico da depressão. Psicologia USP, 11(1). Recuperada em 5 nov. 2016. 2000

SPITZ, R. A. O primeiro ano de vida. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ZAVASCHI, M. L. S. et al. Associação entre trauma por perda na infância e depressão na vida adulta. Revista Brasileira de Psiquiatria, 24(4), 189-95. 2002.




DOI: https://doi.org/10.1000/riec.v2i1.43

DOI (PDF): https://doi.org/10.1000/riec.v2i1.43.g54

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Interdisciplinar Encontro das Ciências - RIEC | ISSN: 2595-0959 |

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Revista Interdisciplinar Encontro das Ciências - RIEC | ISSN: 2595-0959 |

Faculdade Vale do Salgado

Rua Monsenhor Frota, 690

Bairro Centro | CEP: 63430-000 | Brasil, Icó-Ceará

Telefone: +55 88 3561-2760

E-mail: riec@fvs.edu.br